Franco da Rocha contrata profissionais de saúde para Hospital de Campanha

A Prefeitura de Franco da Rocha anunciou que por conta dos altos índices de contaminação pela COVID-19 e, consequentemente, a grande procura por atendimento no Hospital de Campanha, a Secretaria de Saúde contratou profissionais de saúde para ampliar o quadro de funcionários da linha de frente.

Foram contratados 35 médicos, 20 enfermeiros, 20 técnicos de enfermagem, 40 auxiliares de enfermagem, 8 fisioterapeutas, 2 assistentes sociais, 6 psicólogos e 1 educador físico, que atuarão em regime de plantão, além de 10 auxiliares administrativos e 4 auxiliares de limpeza.

De acordo com o infectologista da Prefeitura de Franco da Rocha, o intuito da Secretaria de Saúde é atuar de forma estratégica, formando equipes técnicas especializadas para atender pacientes que apresentam a forma grave da doença e que aguardam transferência para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), via CROSS (Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde). “Aumentamos não só as equipes de enfermagem e médicos, como as equipes multiprofisionais, para fazer um trabalho de assistência social, psicologia e acolhimento dos pacientes e seus familiares”. Destacou o médico.

O novo Coronavírus pertence a um grupo de vírus que causa infecções respiratórias, que pode chegar aos pulmões e impedir a captação do oxigênio, por conta disso, ter apoio de um fisioterapeuta é essencial na equipe de atendimento das unidades de terapia intensiva para evitar complicações cardiorrespiratórias. Em razão disso, a Prefeitura informou que criou dez leitos semi-intensivos, classificados entre leitos de enfermaria e os de UTI. “Quando o cenário começou a se agravar, um dos primeiros profissionais que contratamos foi o fisioterapeuta, que tem papel fundamental na dinâmica pulmonar dos pacientes”, informou Dr. Paulo.

A fisioterapeuta respiratória Mariane Aparecida do Espírito Santo, que atua há 10 anos na área e faz parte do quadro de colaboradores do sistema de saúde municipal de Franco da Rocha contou como a atuação da fisioterapeuta é fundamental para o atendimento dos casos graves e na reabilitação dos pacientes em caso de sequelas pós-internação. “Nós fazemos o manejo clínico da ventilação mecânica dos pacientes, as manobras de Prona (de bruços), utilizadas para melhorar a oxigenação dos pulmões, além da ventilação mecânica não invasiva (VNI), recurso que usamos para evitar a intubação dos casos mais agudos”, esclareceu a profissional.

Mariane explicou que são os fisioterapeutas que determinam os parâmetros da ventilação mecânica, desde o preparo e ajuste do ventilador artificial à intubação e evolução do paciente durante e retirada da ventilação mecânica. “Também fazemos a higiene brônquica e aspiração de vias aéreas e toda a reabilitação pós-Covid-19, nas situações em que ocorrem sequelas respiratórias ou motoras”, informou.

Em março, a Prefeitura havia informado a redação do Expresso Urbano sobre o aumento de 170% no consumo de oxigênio medicinal na cidade, comparado aos meses anteriores. Diante disso, para suprir essa grande demanda, o município implantará uma usina de oxigênio que atenderá a UPA 24h e o Hospital de Campanha. A usina é um compressor que retira o ar da atmosfera, o processa e purifica para liberar oxigênio puro na rede da unidade de saúde. A previsão é que a produção gire em torno de 30 metros de oxigênio por hora e que o equipamento esteja em funcionamento dentro de 15 dias.

No dia 29 de março, Franco da Rocha divulgou a ampliação do Hospital de Campanha, que ganhará 240 metros quadrados para acomodar mais 20 novos leitos. Com isso, o hospital terá 58 leitos para atendimento de casos de baixa e média complexidade e 10 leitos semi-intensivos. O local também recebeu 15 novos respiradores pulmonares mecânicos, 15 monitores multiparâmetro para leitura dos sinais vitais dos pacientes e 25 bombas de infusão, usadas para auxiliar na aplicação de medicamentos.

Conforme a atualização do boletim de COVID-19 de Franco da Rocha, do dia 05 de abril, o Hospital de Campanha está operando com 46% de taxa de ocupação, com 22 pacientes internados. Quatro pessoas aguardam transferência para um leito de UTI via CROSS. A taxa de ocupação dos leitos regionais de UTI é de 90,2%. Até agora, 57 pacientes que estavam internados no Hospital de Campanha morreram aguardando por leitos de UTI pelo CROSS.

 

Com informações da Prefeitura de Franco da Rocha.