Caieiras: Hospital de campanha receita medicamento sem eficácia comprovada


Foto: Reprodução.

A Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou ontem (23) um boletim contrário ao uso de medicamentos como Hidroxicloroquina/Cloroquina, Ivermectina, Nitazoxanida, Azitromicina e Colchicina, entre outras drogas por não possuírem “eficácia científica comprovada no tratamento ou prevenção da COVID-19, quer seja na prevenção, na fase inicial ou nas fases avançadas dessa doença”. Para a Associação, a utilização desses remédios deve ser banida. No entanto, em Caieiras, esses remédios continuam sendo receitados a pacientes com sintomas ou confirmação de COVID-19.

Familiares de um morador de Laranjeiras contam que hoje (24) ele procurou o Centro Médico de Combate ao Coronavírus em busca de atendimento. Fez um Raio-X dos pulmões, que apresentam comprometimento, teste para confirmação da contaminação, que deve demorar dez dias, e teve como diagnóstico inicial um quadro de pneumonia.

O médico que o atendeu, no entanto, receitou Ivermectina, Azitromicina, Prednisona e Salbutamol. Os dois primeiros fazem parte do chamado “Kit Covid”, defendido pelo Governo Federal no tratamento, tanto em fase inicial quanto avançada, do Novo Coronavírus e que, conforme apontam o boletim da AMB e diversas outras pesquisas, como da Universidade de Oxford, não possuem eficiência comprovada. A Organização Mundial da Saúde (OMS) também não recomenda o uso desses medicamentos.

Medicamentos do “Kit Covid” estão associados a casos de hepatite medicamentosa e hemorragia

Reportagens publicadas por vários portais de notícias ontem dão conta de que o número de casos da chamada hepatite medicamentosa e de hemorragias têm crescido em virtude do uso de medicamentos do “Kit Covid”. Médico nefrologista do Hospital das Clínicas da USP, Valmir Crestani Filho relatou ao Portal Terra ter atendido pacientes com hemorragia e insuficiência renal ligadas direta ou indiretamente ao uso de medicamentos ineficazes contra a Covid.

De acordo com o Portal UOL, o Hospital das Clínicas da Universidade de Campinas (UNICAMP), identificou um caso de hepatite medicamentosa relacionada ao uso do “Kit Covid”, num paciente de aproximadamente 50 anos sem doença pré-existente que confirmou ter usado Ivermectina, Azitromicina e Hidroxicloroquina.

O que diz a Prefeitura:

A Secretária de Saúde, Grazielle Bertolini, por meio de nota enviada na quarta-feira (31), uma semana após o fechamento desta reportagem, informou que não compactua com o uso de tratamentos que não tenham comprovação científica e que tal atitude se trata de ação isolada de alguns profissionais, que já foram advertidos.

 

Arquivo Pessoal.

4 Comentários

  1. Ricardo
    25 de março de 2021
    Responder

    esse hospital de campanha decaiu muito

  2. Bruno Rodrigues
    25 de março de 2021
    Responder

    Estão conseguindo piorar a nossa saúde que já era pessima. Caieiras esta perdida, o antigo gestor era um coronel q só fazia oque lhe interessava, e o novo e um inexperiente que só está fazendo cagada

  3. Genilda Muniz giovanni
    25 de março de 2021
    Responder

    Eu peguei covid em novembro !receitaram esse medicamentos pra mim !foi super ótimo!tomei e melhorei em seguida !se faz efeito num sei !pra mim sei que fez !Eu sou a favor desse medicamentos sim !

  4. Valesca
    26 de março de 2021
    Responder

    E você teria um tratamento eficaz que seja comprovado?

Escreva seu comentário no campo abaixo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *