Boi na linha – Edição 02 – O marketeiro do Sonsórcio


Temos um (aprendiz de) marketeiro no sonsórcio!!!

Parece até piada, mas não é! O novato se gaba por empregar mais de 320 pessoas, porém, demitiu mais de mil. Não tem lógica, mas o aprendiz de marketeiro não poderia perder a oportunidade de se promover.
O mais novo aspirante a marketeiro do sonsórcio dirige escavadeira, viatura e o que aparecer pela frente, o importante é ganhar likes, no entanto, ele esquece o mais importante: a pandemia.

Oi, sumido!
O sumido apareceu, mas não do jeito certo!
O enfeite oficial do novato finalmente deu as caras, mas não do jeito que a população esperava. O sumido foi flagrado usando indevidamente o carro da empresa atual para trabalhar em seu segundo emprego, no qual seu desempenho, diga-se de passagem, é melhor que lá no último andar.

Nome na lista
Antes de estacionar o carro no lugar errado, o último rastro do sumido tinha sido numa lista que todo o mundo não vê a hora de se achar também: a de vacinados contra a COVID, apesar de estar longe da linha de frente.

Vai e volta!
O que fazer na saúde? Aquele que deveria saber, não sabe. A falta de experiência fica escancarada quando o novato brinca de administrar. A unidade mais importante no meio da pandemia vai e volta e quem paga o pato é a população.
O administrador toma decisões como se estivesse jogando vídeo game, se não deu certo e só voltar e tentar de novo, se a população vai ser prejudicada, aí é outra história… O importante é bater a meta de likes nas redes.

Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço
Tem gente da linha de frente do aprendiz de marketeiro que, em público, se diz contra aglomerações e tratamento precoce, mas nos bastidores, faz festinha pra comemorar aniversário em prédio público e fecha os olhos pra receita de remédio que não tem eficiência comprovada.

O ensino médio está reprovando
Erros de português, falhas em contas básicas de matemática, textos confusos e ainda copiam dos mais experientes (pero no mucho) na cara dura. Essa é a turma do ensino médio, que está reprovando.
Como um típico grupo de adolescentes que acha que sabe tudo, com um clique é visível a falta de conhecimento e experiência da turminha comunicativa, que falha no que deveria mais saber: comunicar.

Apita o árbitro: hora de começar a estudar!
Assim como o Brasil na Copa do Mundo, o gestor esperou o 7×1 para começar a estudar seu time. Está em cima da hora para aprender o que deve ser feito, mas vai que o cursinho EAD mostre como escalar corretamente seu time em campo.
A dúvida que fica entre os torcedores fanáticos é: será que dá para vencer com esse técnico inexperiente e perdido?

Curso de carisma
Dizem as más línguas que a Palmirinha do Juquery resolveu estudar algo além das receitas e dos registros financeiros. O céu é o limite! Cansou de ser coadjuvante e está fazendo curso para tentar ser tão carismático quanto os outros membros da família. Assumir o posto mais alto é a meta!

Ah, a transparência….
O novato jura de pé junto que é transparente com seus fiéis, mesmo que a todo momento caia em contradição e as informações mais importantes sejam descaradamente omitidas. A pulguinha atrás da orelha começa a surgir, mas as pessoas continuam relutantes com a ideia que foram enganadas pelo moço.
O administrador está nadando, nadando, nadando, só tem que tomar cuidado para não acabar morrendo na lagoa.

A novela continua
Tá difícil pro aprendiz pagar a dívida. Thêmis é cega, mas não é burra, e viu que esse Titanic tem grandes chances de repetir o fracasso do original. Nessa batalha de cariocas contra os domínios do Juquery, ainda tem muita água pra rolar… Aguardemos as cenas dos próximos capítulos, enquanto a guerra contra o inimigo invisível continua.

Fake News
Assim como o Capitão Corona, o imponente Cheetos e muitos políticos por aí, o mais novo administrador da parada quando percebe que seus fiéis descobriram suas presepadas, logo esbraveja: ISSO É FAKE NEWS!
Óbvio que rapidamente ele é desmascarado, seus ajudantes são péssimos mentirosos e no sonsórcio as mentiras têm pernas curtas.

Quem quer dinheiro?
Após tantas promessas, apertos de mão, decepcionar seus seguidores não pega bem. Deixar um desastre acontecer por falta de experiência – apesar dos anos no prédio da rua de baixo -, que deixa centenas de pessoas na rua, é o fim…
Como resolver essa situação catastrófica sem perder a aprovação popular? Para o bom moço é fácil, basta imitar o Silvio Santos e distribuir seu dinheiro.

Ele não é o gênio, mas teve uma ideia genial (ou não)
Como conter uma pandemia? Gestores do mundo todo estão batendo cabeça para resolver esse problema, mas no sonsórcio, seguindo as dicas do gênio da lâmpada, o moço colocou em prática uma ideia brilhante: evitar a proliferação do vírus por meio de uma ação em que as pessoas têm grandes chances de contaminação.

Ou é ou não é
Nas Arábias da Serra da Cantareira fechou tudo! O Sultão diz que não é lockdown, mas só pode abrir o que realmente é essencial, diferente dos forasteiros, que fingem combater o inimigo invisível fazendo de conta que não veem as ruas cheias de súditos e mascates vendendo seus produtos.

Voltaram atrás!

Não é possível que nessa idade não tenham ouvido que o jogo só acaba quando termina. O Droopy, com anos e anos de investigações nas costas, e o Milagre, que por ser boleiro deveria saber que as partidas difíceis só acabam quando terminam, voltaram atrás e reabriram os hospitais de campanha agora que o calo apertou e o colapso já é evidente.

“Boi na Linha” é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.

Comentários

Escreva seu comentário no campo abaixo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *